Sonho de Infância 2

Quando eu era criança, enquanto todos os meus colegas sonhavam em ser bombeiro, policial, médico ou mesmo super-herói, o que eu queria mesmo era ser escritor. Não sei bem porque isso me ocorreu naquela época, pois não lembro muito bem da minha infância (e isso é eufemismo), mas, desde que posso me recordar, o que eu queria ser quando crescer era escritor. Pode ser que o fato de eu ter aprendido a ler mais cedo do que os outros (aprendi a ler com cinco anos, antes mesmo de entrar no pré-primário) tenha me ajudado a sonhar com esse destino, embora eu não tenha muita certeza de que li tantas coisas assim.

Uma das poucas coisas que tenho lembrança, foi que minha mãe comprou uma máquina de escrever. E eu e meu irmão mais velho, que foi quem me ensinou a ler (bem, eu não lembro disso, mas é o que dizem), tínhamos nossas “editoras” e vendíamos um ao outro pequenos livros feitos de papel A4 dobrado e grampeado. Este foi provavelmente um dos estímulos que me levou a pensar na carreira de escritor, mesmo ainda sendo criança.

Eu tinha um projeto tão grandioso de livro que poderia se comparar ao Senhor dos Anéis de Tolkien, embora ainda não conhecesse a obra. Lembro que tinha algumas referências aos Cavaleiros do Zodíaco, que assistia na época (é, faz bastante tempo). Talvez o projeto não fosse tão exacerbado assim no início, mas, com o tempo, foi ganhando forma e cresceu mais do que eu poderia e esperar. Na verdade, ainda espero concluí-lo, mas isso ainda é algo para o futuro.

Acabei, infelizmente, deixando de lado esse meu lado escritor. Não é à toa que não posto tanto aqui no blog. O lado capitalista se fez necessário e, convenhamos, não é uma carreira muito lucrativa. Talvez seja para os autores de best-sellers, mas não para alguém como eu. Deixei meu sonho de infância na gaveta, embora sempre voltava lá e pensava numa ideia ou outra. Talvez tenha sido a frustração de começar muitos livros, mas nunca terminá-los. Cheguei a avançar bastante num deles que estava até bacana, apesar de ser bem simples, todavia ele foi parar no limbo dos HDs com defeito, para o meu azar.

De uma ideia que tive recentemente (ou nem tanto), voltei a tentar escrever e estava indo bem quando percebi que comecei a contar a história pela parte chata. Entre eu desistir e voltar a escrever a partir da parte legal, achei uma sinopse de outro projeto perdida nos meus backups e decidi que seria o primeiro livro que iria terminar. Até que estou indo bem, pois já escrevi pouco mais de trinta páginas no Word quase sem parar por muito tempo. O problema é que a história caminhou para um rumo diferente do que eu esperava e ficaria difícil de definir um gênero específico, tornando-o pouco provável de ter um valor comercial para que eu consiga publicá-lo. Enquanto que aquela primeira ideia que citei tem um pouco mais de chance de estar na estante das livrarias. Como o @eduardospohr (autor de A Batalha do Apocalipse) disse num tweet, “não importa o quão talentoso você seja, seus primeiros textos serão uma merda” (não me lembro exatamente das palavras, mas era isso), então decidi escrever meu livro não-comercial para ganhar experiência. E assim acabei me comprometendo a escrever os dois paralelamente.

E me veio na mente um pensamento: se alguns blogs viraram livros, por que não um livro virar blog? Apesar de ainda não ser um livro, poderia publicá-lo em forma de postagens. Minha intenção é treinar para melhorar minha escrita e tentar lançar um livro realmente bom. Mesmo que eu resolva terminar meu livro teste, só vou ter um feedback quando concluí-lo, a não ser que mande para alguns amigos lerem conforme eu avançasse na história. Daí a ideia: uma forma prática de fazer isso é criando um blog.

Minha pretensão é de publicar um post por semana, contendo uma página ou talvez um pouco mais que isso, para não cortar uma cena pela metade (o que talvez eu faça se houver necessidade). Como já escrevi algumas páginas, posso começar logo e enquanto estas ainda estão sendo publicadas, escreverei as próximas. E, se tudo der certo, meu outro projeto vire um livro de verdade e eu realize meu antigo sonho de infância.

2 thoughts on “Sonho de Infância

  1. Reply Moret jan 4,2011 18:03

    Me lembrou a crônica do Rubem Braga, “Meu ideal seria escrever”: http://www.releituras.com/rubembraga_meuideal.asp

  2. Reply Dalleck jan 4,2011 21:17

    ótima iniciativa! espero que me inspire a voltar a escrever 😀

Deixe uma resposta