Outras Vidas 2

A vida é tão curta que não conseguimos fazer tudo o que temos vontade. Isso é até fácil de perceber, se prestarmos um pouco de atenção. E este é exatamente o motivo de tentarmos entender o mundo que está além de nós mesmos.
Entre todas as bifurcações do caminho, escolhemos a direção de forma que cada um tenha uma vida única. É, realmente, apenas uma vida. Por isso recorremos às outras vidas que estão à nossa mão.
Os videogames são um bom exemplo disso. Neles muitas muitas vidas. Não temos medo de errar, a qualquer problema podemos voltar e tentar de novo. Até conseguirmos ou perdermos a paciência. São as vidas que gostaríamos de ter, mas não temos.
Mesmo assistindo a um filme, ou uma série de TV, temos uma tendência a nos envolvermos na história de modo que compartilhemos as sensações e emoções dos personagens.
Eu aprendi a gostar de filmes quando comecei a acreditar que participava da história. É claro que temos que saber quando tudo acaba e também que tudo não passa de ficção, caso contrário sofreremos ao invés de nos divertirmos. Isso eu aprendi também.
O mais importante é que tudo isso é muito bom. As vidas novas que nos libertam da nossa própria, mesmo que por pouco tempo, nos fazem relaxar e distrair. Nos ajuda a deixar de ter consciência da vida patética que vivemos e acreditar que pode existir um futuro diferente. Quanto mais você pensa, mais você sofre. Aprendi isso pelo método empírico.
Um amigo meu disse que “a sofisticação cognitiva intensifica as sensações”. E eu percebi que isto é completamente verdade. É claro que isto se refere também à felicidade. Quando estou feliz, estou muito mais feliz do que os ignorantes que são felizes um tempo inteiro. Mas também fico triste e com uma intensidade maior do que eles quando, raramente, estão.
E todas essas outras vidas também nos fazem ficar tristes. Assim como as músicas. É como dizia Schopenhauer. Nos liberta da consciência e deixamos fluir o inconsciente. Satisfazemos nas vidas fictícias as nossas próprias vontades intrínsecas.
E, apesar de querermos veementemente, não podemos nos esquecer de que são apenas outras vidas.

2 thoughts on “Outras Vidas

  1. Reply R. abr 22,2010 16:44

    Existem momentos na minha vida em que como eu queria que fosse algo parecido com vídeo game… tipo começar tudo de novo, mas com mais habilidade e vencer…

    **

  2. Reply Marina abr 27,2010 16:34

    Morri de rir foi com a imagem do cogumelo verde, antes de você começar a falar de videogame.

    Às vezes gostaria de dar um restart.

Deixe uma resposta